Você sabia que existe um teste para detectar H1N1?

Acompanhe a explicação de TUDO o que você precisa saber sobre o H1N1 e como o teste diagnóstico do H1N1 aliado a vacina da gripe auxiliam no atendimento diagnóstico prévio em pacientes com suspeita de Coronavírus.

O H1N1 ficou famoso há uma década, quando uma epidemia desse subtipo do vírus da gripe provocou 2 mil mortes no Brasil. O H1N1 causa os mesmos sintomas das outras versões do vírus influenza: febre alta, mal-estar, dor de cabeça, espirros e tosse. O principal diferencial estaria no risco de complicações.

 

O que é diferente no H1N1?

Basicamente, a estrutura do vírus, que possui algumas proteínas diferentes. Além disso, assim como todos os membros da família, o H1N1 sofre mutações frequentes – daí a necessidade de tomar a vacina anualmente, principalmente nas campanhas nacionais.

“Ele é um pouco mais virulento. Ou seja, multiplica-se rapidamente no organismo e provoca mais casos graves em jovens, asmáticos e gestantes”, comenta Rosana Richtmann, infectologista do Instituto Emílio Ribas, de São Paulo.

 

Como evitar a gripe H1N1?

A prevenção da gripe H1N1 segue as mesmas diretrizes da prevenção de qualquer tipo de gripe, só que o cuidado deve ser redobrado:

  • Evite manter contato muito próximo com uma pessoa que esteja infectada;
  • Lave sempre as mãos com água e sabão;
  • Evite levar as mãos ao rosto e, principalmente, à boca;
  • Leve sempre um frasco com álcool-gel para garantir que as mãos sempre estejam esterilizadas;
  • Mantenha hábitos saudáveis;
  • Alimente-se bem e coma bastante verduras e frutas;
  • Beba bastante água;
  • Não compartilhe utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos, talheres e travesseiros;
  • Se achar necessário, utilize uma máscara para proteger-se de gotículas infectadas que possam estar no ar;
  • Evite frequentar locais fechados ou com muitas pessoas.

 

Como é feita a transmissão da doença?

Todos os subtipos da gripe são transmitidos da mesma maneira: pelo contato com gotículas da saliva e com secreções respiratórias de pessoas infectadas.

O vírus presente nessas partículas pode ficar ativo por horas em maçanetas, roupas, portas e outros objetos. Basta tocar em um deles e depois colocar a mão na boca ou nos olhos. Daí por que os especialistas pedem tanto para lavarmos as mãos com frequência.

Para evitar a gripe, o ideal é se vacinar, especialmente se fizer parte dos grupos de risco – crianças de até 6 anos incompletos, idosos, gestantes, indivíduos imunodeprimidos ou portadores de doenças crônica. A composição é recomendada anualmente pela OMS, com base nas informações recebidas de todo o mundo sobre a prevalência das cepas circulantes. Dessa forma, a cada ano, a vacina da gripe muda, para proteger contra os tipos mais comuns de vírus naquela época.

 

Como saber se estou com a H1N1?

O Rocha Lima apresenta em seu portfólio o teste para detecção do H1N1 por PCR e o teste rápido para detecção de influenza TIPO A, TIPO B e TIPO A (H1N1). Com o teste, você pode saber se está com H1N1 em poucas horas.

 

Como o teste diagnóstico do H1N1 aliado a vacina da gripe auxiliam no atendimento diagnóstico prévio em pacientes com suspeita de Coronavírus?

A vacina contra a gripe e/ou o resultado do teste H1N1 auxiliam no atendimento e diagnóstico preciso do paciente com suspeita de infecção pelo novo coronavírus. Como os sintomas das duas doenças são semelhantes, se o paciente com suspeitas chegar ao pronto-atendimento e tiver se vacinado contra gripe, médicos e enfermeiros poderão descartar a hipótese da doença e se concentrar na possibilidade de se tratar da Covid-19.

A vacina da gripe ainda é uma maneira de resguardar os mais vulneráveis contra doenças respiratórias, que podem impactar o sistema imunológico e favorecer o aparecimento de outras infecções.

 

Fontes:

accamargo.org.br

saude.abril.com.br

drauziovarella.uol.com.br

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *