Tratamento de Tireoide sofre alterações após descobertas da medicina

A glândula localizada no pescoço e que regula o ritmo de funcionamento de todo o organismo foi o tema central de 12 mesas-redondas, conferências e aulas no último Congresso Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia, realizado em setembro na Costa do Sauípe, Bahia. Veja o que foi alterado no tratamento de tireoide.

O congresso abordou o hipotireoidismo, quando a glândula produz pouco hormônio e deixa o organismo lento, e o hipertireoidismo, situação contrária em que o corpo fica acelerado demais.

A primeira grande mudança é a reclassificação de um tipo de câncer relativamente comum na glândula. Seu nome é complicado: variante folicular do carcinoma papilífero não invasivo encapsulado (ou EFVPTC, na sigla em inglês). Há seis meses, ele era considerado maligno e exigia um contra-ataque pesado, com cirurgia e boas doses de radiação.

O que era um câncer passa a ser visto como nódulo benigno, que não carece necessariamente de bisturi ou bombardeios de iodoterapia. A expectativa é que essa decisão reduza gastos com a saúde e o uso de tratamentos supérfluos, além de minimizar a ansiedade das pessoas diagnosticadas.

Mas ainda há uma série de transformações pelas quais a abordagem dos nódulos tireoidianos está passando. Todas as etapas de diagnóstico e tratamento são revistas atualmente e geram acalorados debates. Isso começou quando os experts perceberam que, nos últimos 25 anos, houve um aumento de três vezes no número de episódios, embora a taxa de mortalidade continuasse a mesma.

Para saber se a tireoide está funcionando corretamente, é necessário fazer exames que avaliem o seu tamanho, a presença de tumores e a quantidade de hormônios TSH, T3 e T4 no corpo, que refletem o funcionamento adequado desta glândula.

Assim, o médico endocrinologista pode pedir exames de sangue, ultrassonografia, cintilografia ou biópsia para avaliar a tireoide, principalmente quando existe histórico familiar de doenças nesta glândula ou quando o paciente apresenta sintomas de doenças como hipertireoidismo ou hipotireoidismo. Veja os sinais que podem indicar problemas na tireoide:

 

tratamento de tireoide rocha lima

Exame de Sangue

O exame de sangue é usado para avaliar a quantidade de hormônios no sangue, como mostrado na tabela a seguir:

tabelatireoide

Além disso, no exame de sangue também pode ser avaliada a presente de anticorpos que atacam as células da tireoide, caracterizando uma doença autoimune desta glândula, como a doença de Graves.

Aqui no Rocha Lima é possível realizar os principais exames de sangue para medição dos níveis sanguíneos dos hormônios TSH, T3, T4 e T4 Livre. Basta estar em jejum mínimo de 3 horas. Mas caso você esteja fazendo uso de hormônios tiroidianos (Puran T4, Levoid, Synthroid ou Euthyrox) sugerimos que a coleta seja feita antes da medicação. O prazo de entrega do resultado é de até 2 dias úteis.

Fontes:
http://saude.abril.com.br/
http://mdsaude.com/
https://www.tuasaude.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *