A eficácia da vacina CORONAVAC

Após o Instituto Butantan anunciar uma eficácia geral de 50,38% da vacina CoronaVac, algumas dúvidas surgiram em relação aos números divulgados anteriormente, como o índice de 78% para prevenção de casos leves de coronavírus e o de 100% para casos moderados e graves da doença.

Pensando nisso, compartilhamos aqui uma conversa  com a diretora da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Flávia Bravo, feita pelo site UOL, para entender as diferenças entre as porcentagens e a importância da vacinação no Brasil neste momento, com mais de 200 mil mortes já registradas por covid-19

“Um jeito de entender [por que com esses percentuais a vacina é eficaz] é pensar ao receber a imunização: eu até posso adoecer, mas não terei uma doença grave, não vou internar, não vou para a UTI nem precisarei de oxigênio. É isso que a gente necessita agora. Em termos de saúde pública, isso é importante para aliviar a pressão no sistema de saúde”, diz a especialista.

Entenda os 100% de eficácia da CoronaVac

O estudo foi feito com 13.060 voluntários, todos profissionais da saúde, uma população muito exposta à doença. Metade do grupo tomou a vacina CoronaVac e a outra parte recebeu placebo. Desde o início do ensaio, em julho, 252 pessoas foram infectadas com covid-19 —167 do grupo placebo e 85 entre os vacinados.

Entre elas, no grupo vacinado, não houve nenhum caso com doença moderada a grave, que precisou de internação. Sete casos foram registrados no grupo que não foi vacinado.

“Se não houve nenhum caso no grupo vacinado, isso configura em uma eficácia de 100% para evitar casos graves, moderados, internações e mortes pela doença.”

E o que significam os 78%

Para as infecções que foram leves, ou seja, quando pessoa apresentou poucos sintomas de covid-19 e recebeu algum tipo de assistência médica, mas não precisou de internação, houve sete casos no grupo vacinado e 31 no grupo de placebo.

Segundo Bravo, isso significa que, para a prevenção para casos leves de covid-19, com sintomas, mas sem necessidade de internação, a eficácia é de 78%.

E os 50,38%

Esse número é calculado com os 252 casos de pessoas que adoeceram dos dois grupos (o placebo e o vacinado), com qualquer gravidade da doença, na qual a proteção foi de 50,38%. “É um cálculo estatístico no qual se concluiu que temos uma proteção de 50%, ou seja, temos 50,38% menos risco de adoecer e, mesmo que adoeçamos, temos 100% de eficácia para não adoecer gravemente, não precisar internar, não precisar de uma UTI e também não vai morrer”

50% + 50% é igual a 100%? A diretora da SBIm também esclarece que, ao tomar as duas doses da CoronaVac, o valor de eficácia geral não é somado e chega a 100%, como algumas pessoas estão afirmando nas redes sociais. Isso porque o resultado de 50,38% é contando já com as duas doses aplicadas.

E você, pretende tomar a vacina?

Fonte: uol.com.br/vivabem/

O que é a segunda onda do COVID – 19? Saiba tudo!

A segunda onda vem sendo muito comentada e se refere a um novo surto e ao aumento de número de casos pelo vírus. Foi avisado desde o início da pandemia que havia hipóteses desse acontecimento, dando total alerta sobre os cuidados necessários que foram divulgados pelos Órgãos de Saúde Pública. Lembrando que o Brasil ainda não superou e nem estabilizou o número de infectados da primeira onda do COVID-19.
O Presidente e cirurgião do Hospital Albert Einstein, Sidney Klajner, diz que o Brasil já está enfrentando a segunda onda alegando que o número de internações aumentou e, que está preocupado com o planejamento do país em relação à vacinação. Disse também, que a onda é diferente da Europa, pois no Brasil não teve o controle total da situação, acreditando ter um novo pico do vírus pelo Brasil.
O Brasil vive em diferentes momentos da pandemia, enquanto uma região está com redução de casos/mortalidades, outras estão com os números aumentando.

E mundialmente?
Os países da Europa estão passando por uma segunda onda de contaminação por COVID-19 depois de desacelerar com sucesso aos surtos no início do ano.
Há países que confirmam o número de infectados, com a segunda onda, maior do que no início da pandemia. A França, Reino Unido, Polônia, Holanda e Espanha já começaram a tomar medidas para conter essa nova onda e evitar o aumento de casos nos países.

Sempre lembrando que os cuidados devem ser mantidos para que superemos o que já passou e que tenhamos força e esperança para lidar com o que está vindo!

Fonte: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/12/03/presidente-do-einstein-ve-2-onda-no-brasil-e-critica-plano-de-vacinacao.htm

Coronavírus: Testes para COVID-19 mais eficazes chegam ao Laboratório Rocha Lima

Novos exames sorológicos para COVID-19 (Coronavírus) são mais eficazes

Confira como esses novos avanços contribuem para o combate ao Coronavírus

Uma recente “segunda geração” de exames sorológicos na luta contra a COVID-19, doença causada pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2), é significativamente mais precisa e eficaz do que as demais versões de testes disponíveis até então, conhecidas como “testes rápidos”. Esta segunda geração de exames sorológicos alcança entre 99% e até 100% de sensibilidade, se indicada no intervalo de tempo correto. Continue lendo “Coronavírus: Testes para COVID-19 mais eficazes chegam ao Laboratório Rocha Lima”

CORONAVÍRUS: Perguntas e Respostas – Informe oficial da SBI

CORONAVÍRUS: Informe oficial da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) sobre o novo Coronavírus: (Dados atualizados em 24/01/2020)

Informe da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) sobre o novo CORONAVÍRUS

Perguntas e Respostas para Profissionais da Saúde e para o Público em geral.

(Dados atualizados em 24/01/2020)

Continue lendo “CORONAVÍRUS: Perguntas e Respostas – Informe oficial da SBI”