Importância do Teste do Pezinho

Você sabe o porque é tão importante fazer o famoso teste do pezinho no bebê assim que nasce? A gente vai te contar!

Também conhecido por “Triagem Neonatal”, é um dos exames mais importantes para se detectar irregularidades na saúde do bebê.

É por meio deste teste que se realiza o diagnóstico preventivo de diversas doenças genéticas e congênitas, muitas vezes assintomáticas no período neonatal. Com o diagnóstico precoce da doença, pode-se iniciar rapidamente o tratamento específico e a diminuição ou eliminação das possíveis sequelas.

Doenças detectadas e alguns de seus sintomas:

Fenilcetonúria: Compromete o desenvolvimento neurológico e psicomotor;

Hemoglobinopatias: Pode levar a diversos tipos de anemia;

Aminoacidopatias: Anomalias geneticamente determinadas para o metabolismo dos aminoácidos;

Hipotireoidismo congênito: Pode comprometer o crescimento bem como o desenvolvimento mental;

Fibrose cística: Compromete o sistema respiratório;

Hiperplasia adrenal congênita: Provoca deficiência de alguns hormônios e aumento da produção de outros;

Galactosemia: faz com que o açúcar do leite não seja digerido, podendo levar a danos cerebrais, deficiência de aprendizagem, catarata, falhas hepáticas e renais;

Deficiência de biotinidase: Pode levar a perda da audição, problemas respiratórios e de visão, convulsões, entre outros;

Deficiência de G6PD: Facilita o aparecimento de icterícia e anemia;

Toxoplasmose congênita: Pode levar a alterações neurológicas e oftalmológicas;

HIV: Detecta a imunodeficiência adquirida congênita (AIDS);

Sífilis congênita: Pode comprometer o sistema nervoso central;

Tipos de testes feitos no Rocha Lima

Teste Amplificado:
Realiza os seguintes exames: Fenilalanina (PKU), TSH neonatal, hemoglobinopatias, aminoácidos, cromatografia qualitativa, T4 neonatal, 17 OH progesterona neonatal e tripsina neonatal.

Teste Master:
Realiza os seguintes exames: Fenilalanina (PKU), TSH neonatal, hemoglobinopatias, aminoácidos, cromatografia qualitativa, T4 neonatal, 17 OH progesterona neonatal, tripsina neonatal, biotinidase neonatal, galactose total, toxoplasmose IgM neonatal, G6PD, rubéola IgM neonatal, sífilis IgM neonatal, citomegalovírus IgM neonatal e trypanossoma cruzi neonatal.

Coleta

São necessárias apenas algumas gotas de sangue do calcanhar do recém-nascido, pois por ser uma região muito vascularizada e de fácil coleta, a obtenção da quantidade necessária é mais rápida e quase indolor, quando comparada com a coleta venosa.

Importante salientar que a coleta deve ser preferencialmente entre o 3º e o 30º dia de vida e no máximo até o 90º dia.

 

Futuras mamães e papais, não deixem nunca de fazer este teste!

Se ainda tiver alguma dúvida, você pode nos chamar pelo Whatsapp: (11) 9 7700-0600

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *