Descubra qual é o exame mais indicado no tratamento da endometriose

No Brasil, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), sete milhões de mulheres sofrem com a enfermidade, sendo que muitas ainda possuem dúvidas sobre o tratamento.

Estima-se que uma a cada dez mulheres no mundo todo sofre com a endometriose. Os sintomas mais comuns são irregularidades menstruais, dores abdominais, dores durante o ato sexual e até dor para urinar e sangramento na urina.

No Brasil, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), sete milhões de mulheres sofrem com a enfermidade. A endometriose é um distúrbio em que o tecido que reveste o útero cresce fora dele. O tecido pode estar presente nos ovários, nas tubas uterinas ou no intestino.
“Não existe ainda algo que explique o real motivo pelo qual algumas  mulheres sofrem com esse problema, a tese mais discutida é a menstruação retrógrada”, que é quando o endométrio se solta das parede uterinas, e não liberado por completo durante a menstruação, e sobe pelas trompas”, explica o diretor clínico do Laboratório Rocha Lima, David Pares.

Por conta disso, as células do endométrio vão para outras partes do organismo e se reproduzem, causando assim a endometriose. O distúrbio atinge as mulheres na fase reprodutiva, e pode ser desenvolvida tanto entre a primeira menstruação como na menopausa.

“O problema é que algumas mulheres acabam não procurando um especialista por achar que é algo  normal menstruar com dor, e muitos médicos também ignoram as queixas de cólicas das pacientes, o que atrasa o diagnóstico”, explica Pares.

Como a doença afeta partes do sistema reprodutor, as mulheres acabam tendo dificuldades para engravidar. Existem diversos exames complementares que são fundamentais para o diagnóstico da doença como a ultrassonografia e a ressonância magnética.

Muitas mulheres costumam ter dúvidas na hora de escolher o exame mais indicado. “Por conta do baixo custo e da facilidade, a ultrassonografia com preparo deve ser o primeiro exame solicitado. Além disso, na  ultrassonografia é feito um preparo intestinal que possibilita uma melhor visualização das estruturas e um diagnóstico mais preciso”, diz o diretor clínico.
Além disso, os ovários e o peritônio pélvico são os locais que apresentam maior frequência de tecido endometrial ectópico. Portanto, a ressonância magnética deve ser feita em casos mais específicos, pois o custo-benefício da ultrassonografia com preparo é maior e por ele ser um método efetivo na detecção da endometriose.

 

Resumo profissional:

* O Diretor clínico Dr. David Pares possui mestrado em Medicina (Obstetrícia) pela Universidade Federal de São Paulo (1987), e doutorado em Medicina (Obstetrícia) pela mesma Universidade. Foi Chefe da Medicina Fetal no Laboratório Fleury e proprietário do Lego Laboratório, precursor do atendimento especializado na saúde da mulher.
Atualmente é professor adjunto e Chefe do Departamento de Obstetrícia, da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *