Biotina- Interferindo em resultados de exames laboratoriais

Saiba o que é, e o por que essa substância tem interferência em resultados de alguns exames laboratoriais. O Dr. Rafael Padovani explica tudo.

A Biotina é uma vitamina hidrossolúvel do Complexo B, também chamada de vitamina H, B7 e B8, responsável pela síntese e oxidação de ácidos graxos, pelo metabolismo de aminoácidos, pela Glicogênese e responsável também pelo ciclo do ácido tri carboxílico.

Na nossa alimentação, as Biotinas provem principalmente da gema de ovo, fígado, rins, nozes, cereais integrais e alguns vegetais. Segundo o Institute of Medicine, USA, a ingestão adequada é de 35 a 70 μg/dia.

O suplemento de Biotina em doses que variam de 2 a 15 mg/Kg/dia é indicado no tratamento de algumas doenças genéricas raras, como deficiência da enzima biotinidase, doença mitocondrial neonatal e doenças dos gânglios da base responsiva e tiamina.

Também indicado nos casos de Esclerose múltipla em pacientes submetidos a gastrectomia e síndromes de má absorção e nutrição parenteral.

O problema em questão:

No entanto, popularizou-se o uso da Biotina como suplemento para evitar a queda de cabelos, o fortalecimento das unhas, para melhoria do bem-estar geral e ganho de energia nas academias em doses que podem ultrapassar 600 mg por dia.

Algumas dosagens realizadas no laboratório, principalmente as hormonais, utilizam a Biotina na reação.

Como o nível sanguíneo normal da Biotina está na ordem de picogramas, esta concentração normal e fisiológica não interfere nos ensaios, diferente das concentrações dos suplementos disponíveis no mercado que geralmente são de 600 mg cada comprimido.

O cuidado que o Laboratório Rocha Lima tem durante o cadastro dos seus clientes, indagando sobre a utilização de medicamentos nos últimos dias vem justamente da enorme quantidade de interferentes conhecidos e alguns ainda desconhecidos que podem alterar os resultados de alguns exames.

Muitos pacientes consideram a Biotina como um suplemento alimentar e ignoram esta importante informação, quando perguntamos sobre utilização de medicamentos, no momento do seu cadastro no laboratório.

O avanço da tecnologia tornou os equipamentos analíticos muito precisos e exatos, somado ao rigor de uma certificação de Acreditação pelo PALC – Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos, podemos afirmar, sem sombra de dúvida, que a maioria dos resultados incoerentes e de difícil interpretação podem ser  atribuídos a interferentes exógenos, como esses suplementos.

 

Dr. Rafael Padovani
Diretor do Laboratório Rocha Lima e  Auditor de Qualidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *